Já li — Homo Deus, A Brief History of Tomorrow

PORQUE LI?

Li “Homo Deus – A Brief History of Tomorrow” porque tinha lido e adorado, em 2017, “Sapiens – A Brief History of Humankind”. Aliás, o livro aguardava a sua vez desde o ano passado.

 

O QUE ACHEI?

“In the early twenty-first century the train of progress is again pulling out of the station — and this will probably be the last train ever to leave the station called Homo Sapiens. Those who miss this train will never get a second chance. In order to get a seat on it you need to understand twenty-first century technology, and in particular the powers of biotechnology and computer algorithms (…) The main products of the twenty-first century will be bodies, brains and minds and the gap between those who know how to engineer bodies and brains and those who do not (…) will be bigger than the gap between Sapiens and Neanderthals. In the twenty-first century, those who ride the train of progress will acquire divine abilities of creation and destruction, while those left behind will face extinction.” (Pág. 319)

Que bom foi voltar ao estilo fluído, provocador, límpido e bem-humorado de Yuval Noah Harari! E que bom foi fazê-lo tendo lido antes o primeiro volume. Embora os livros possam ler-se de forma completamente independente, “Homo Deus” volta a temas de “Sapiens” para analisar e compreender o presente e esboçar, a partir daí, o futuro provável da Humanidade. E não estamos a falar de um futuro muito distante; estamos a falar do futuro dentro do atual século XXI.

Foi gratificante, “recapitular matéria dada” e verificar o quanto aprendi com a primeira leitura. E foi estimulante (embora assustador, também) olhar para os dias que virão tendo esses conhecimentos como ponto de partida, ainda que o autor afirme, logo no início do livro, que quanto mais sabemos, menos podemos prever:

“This is the paradox of historical knowledge. Knowledge that does not change behaviour is useless. But knowledge that changes behaviour quickly looses its relevance. The more data we have and the better we understand history, the faster history alters its course, and the faster our knowledge becomes outdated (…) theoretically we should understand the world better and better. But the very opposite is happening (…) we are less and less able to make sense of the present or forecast the future.” (Pág. 67)

Esta é talvez a característica mais desafiantes de “Homo Deus”: Harari descreve o futuro próximo com tal lucidez, que conseguimos materializa-lo na nossa imaginação, até que na linha seguinte lemos o aviso: cuidado, isto é apenas uma hipótese. Está nas nossas mãos tomar ou não outro rumo.

Puro exercício filosófico? Em parte. Mas é um deleite!

Harari começa por recordar-nos que o Homo Sapiens conseguiu dominar o mundo graças à sua capacidade para cooperar flexivelmente e em larga escala com outros Homo Sapiens, criando redes de significados intersubjetivos que existem apenas na sua imaginação. Foi assim que surgiram as religiões, e com elas leis, forças, entidades e lugares (os Estados, as Nações, as fronteiras, o dinheiro, entre outros), que resultam de histórias, de ficções nas quais acreditamos coletivamente, alicerçadas em múltiplas relações de confiança. Esta capacidade de cooperação e de imaginação é o que separa radicalmente os Homens dos outros Animais. E se, inicialmente, as religiões serviram para legitimar a preponderância do Homo Sapiens sobre todo o mundo (não nos esqueçamos do argumento derradeiro: a alma como uma exclusividade do Homem), foram surgindo, depois, outras ideologias, outros sistemas para validar o Antropocentrismo, isto é, para validar o Homem no centro do mundo, o Homem como Deus.

Harari aborda sobretudo a questão do Humanismo que, argumenta, surge para dar sentido ao mundo ao mesmo tempo que a lógica capitalista começa a impor-se.  A par da religião do crescimento económico — cujo cerdo é: “Investirás os teus lucros no crescimento contínuo.” — o Humanismo ascende tendo como base o valor supremo da vida humana e o direito à felicidade. É em nome deles que o Homo Sapiens, transformado em Homo Deus, corre o risco, no século XXI, de levar toda a Humanidade para além dos seus limites. Porquê? Porque ao santificar a vida e arrogar-se o direito à felicidade custe o que custar, declarou guerra à morte e procura por todos os meios prolongar a sua passagem pelo planeta Terra.

A partir desta premissa, Harari discorre sobre o que é a vida e o que será considerado vida num futuro próximo; sobre a diferença entre cérebro, mente, consciência, emoções e inteligência; sobre os organismos entendidos como algoritmos que processam dados; sobre o determinismo biológico, a genética e a epigenética; sobre biotecnologia, seres humanos melhorados em laboratório e máquinas mais inteligentes que o Homem; sobre o fosso crescente não entre pobres e ricos, mas entre os que poderão prolongar a vida e os que não terão acesso à tecnologia para tal; sobre a suposta falácia da liberdade, do livro arbítrio, da capacidade de escolha e do auto-conhecimento; sobre o ouro do século XXI: os grandes volumes de dados e a total devoção aos mesmos (surgindo, até, uma nova religião, o Dataism); sobre informação e notícias falsas; sobre a doença que é precisarmos de estar permanentemente conectados para que nada nos escape; sobre o eminente armagedão ecológico fruto do crescimento económico contínuo (ao qual parece não haver alternativa…) e do desrespeito por tudo o que vive no planeta para além do Homo Sapiens, os outros mamíferos à cabeça:

“We are suddenly showing unprecedented interest in the fate of so-called lower life forms, perhaps because we are about to become one. If and when computer programs attain superhuman intelligence and unprecedented power, should we begin valuing these programs more than we value humans? Would it be okay, for example, for an artificial intelligence to exploit humans and even kill them to further its own needs and desires? If it should never be allowed to do that, despite its superior intelligence and power, why is it ethical for humans to exploit and kill pigs?” (Pág. 116)

Homo Deus – A Brief History of Tomorrow” é um excelente livro, que contribuiu para o alargamento dos meus horizontes, da minha cultura geral e alimentou a minha sede de conhecimento e de vida. Fez de mim, também, uma pessoa mais lúcida e alerta. Escusado será dizer que o recomendo com convicção. Fica, ainda, a dica: à semelhança do volume anterior a edição inglesa lê-se facilmente; portanto, se prestaram atenção às aulas de inglês nos anos de escola, podem aventurar-se na compra da edição de bolso da Vintage e poupar cerca de dez Euros em relação à edição portuguesa (que custa 23 Euros).

Para terminar, partilho mais um excerto na esperança de que vos desassossegue:

“In the past, censorship worked by blocking the flow of information. In the twenty-first century censorship works by flooding people with irrelevant information.” (Pág. 462)

Advertisements

One thought on “Já li — Homo Deus, A Brief History of Tomorrow

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s