Luís e os navegadores chineses

 
Convenci-me que não há um único canto do mundo que não tenha sido tocado pela diáspora chinesa quando, o ano passado, vi na cidade de S. Tomé um taberneiro chinês a falar crioulo e a vender vinho da palma aos clientes são-tomenses. Ficou-me profundamente gravada na memória aquela imagem, ao passar pela porta do lugar mal iluminado, cheio de homens, e ainda trago nos ouvidos a algaraviada que de lá brotava: falava-se alto, ria-se e o chinês, atrás do balcão, estava completamente integrado naquele quadro tropical e, a meu ver, surreal. Juro-vos que isto foi, para mim, o cúmulo, a prova dos nove, a total rendição — há chineses em todo o lado, ponto final!
 
Aqui no Mindelo, em Cabo Verde, não é preciso ficar-se muito tempo para se constatar que além de existir uma grande comunidade, os chineses tomaram nas suas mãos a quase totalidade do comércio: tudo se pode comprar nas muitas lojas de chineses que aqui existem. Dir-se-ia um monopólio. Só no trajecto que faço entre o lugar onde moro e o trabalho — pouco mais de cinco minutos a pé — conto oito! E esta comunidade, à semelhança da impressão que me deixou a cena de S. Tomé, parece-me muito mais integrada do que a que vive e trabalha em Portugal: não é fora do comum vê-los em horas de expediente a tomar um sumo natural num café ou a lanchar demoradamente nas pastelarias, a chinelar pelas ruas já com um certo gingar africano, as mulheres chinesas a caminhar de braço dado às amas cabo-verdianas que lhes carregam os filhos pequenos.
 
Andava já eu muito atenta a tudo isto quando o Luís veio hospedar-se na Casa Café Mindelo e o surpreendi na recepção do hotel a ler1421 – O Ano em que a China Descobriu o Mundo”. Contou-me o Luís que o autor da obra, Gavin Menzies, é um oficial da marinha britânica que depois de reformado se dedicou ao estudo da história marítima da China — estudo que o levou, inclusive, a fazer investigação na Torre do Tombo, em Lisboa — tendo concluído que os chineses, entre 1421 e 1423, na recta final da dinastia Ming, não só chegaram à América muito antes de Cristóvão Colombo, como também circum-navegaram o globo antes de Fernão de Magalhães. Até que o enorme país se fechou sobre si próprio e um dos imperadores ordenou a destruição de todas as provas dos grandes feitos da armada chinesa. Por incrível que pareça, uma das provas que serve de base à teoria de Gavin Menzies está aqui, em Cabo-Verde, mais precisamente em Santo Antão. Há nesta ilha, aquela que eu vejo todos os dias aqui do Mindelo, um lugar chamado Penedo de Janela onde uma pedra, a que chamam Pedra Escrivida, exibe caracteres de uma língua indo-chinesa, supostamente gravados por navegantes chineses. Mas os mistérios em torno da pedra são muitos e outras explicações sugerem que os caracteres poderão ser de origem germânica, escandinava, berbere ou até portuguesa. Obviamente, coloquei Penedo de Janela na minha lista de lugares a visitar assim que tiver a oportunidade de voltar a Santo Antão. Mas é bom que se diga que, embora empolgante, a teoria de Gavin Menzies não está isenta de polémica: uma pesquisa rápida na net revela que foram vários os historiadores que a rejeitaram, apontando a total falta de metodologia e rigor científico, e apelidaram o seu autor de pseudo-historiador…
 
Acerca dos seus hábitos de leitura, o Luís admitiu ser sobretudo um consumidor de livros de História e Literatura de Viagem, mas os livros que apontou como mais marcantes fogem um pouco a estas categorias:O Princípio de Peter“, “O Triunfo dos Porcos” e o colossal “Memórias de Adriano“. 
Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s