Ler: labor e lazer

 
Para a Andrea, que é coordenadora editorial há 11 anos, o livro e a leitura são do mais democrático que há. “Há livros sobre tudo, de todos os géneros, de todos os formatos e tamanhos, enfim, há livros para todos os gostos”, afirma. Para si, ler é um ato que define a sua identidade enquanto profissional, mas é também uma forma de viajar e uma fonte de prazer. Embora tenha de ler para trabalhar, diz conseguir separar as águas entre labor e lazer.
 
Fotografei-a no jardim do Palacete Silva Monteiro, no centro do Porto, onde funciona a Casa do Vinho Verde. Por estar em frente ao local onde trabalho e por proporcionar alguma tranquilidade, a par de uma vista magnífica sobre o Douro, não é raro encontrar colegas a ler neste jardim à hora do almoço, desde que o tempo assim o permita. Naquele início de tarde a Andrea ia mais ou menos a meio d’ “A Rainha no Palácio das Correntes de Ar“, o terceiro e último volume da saga Millennium, de Stieg Larsson. Tinha conseguido ler os dois outros tomos durante as férias, apesar de todos os cuidados que o seu bebé de 17 meses exige, o mesmo bebé que fez questão de deixar a sua marca no livro que teimava em roubar a atenção da mãe — a página 265 estava composta com fita adesiva e continha a seguinte nota: “Rasgado por Zé Maria a 31 de agosto de 2013”. A Andrea não é leitora de thrillers, mas rendeu-se ao trabalho de Stieg Larsson, que a surpreendeu. Considerou os textos muito bem compostos, os personagens bem construídos e achou interessante a história ter por base uma investigação jornalística que desconstrói a ideia de que a Suécia é um país perfeito, imune à corrupção. 

Advertisements

3 thoughts on “Ler: labor e lazer

  1. Conheço o José Eduardo Agualusa de bebé. Era filho da diligente reitora de um magnífico liceu onde estudei, no seio da mãe Angola.
    É verdade que ele vive de sonhos. Eu também…
    Talvez por isso, gosto dos seus livros.

    Like

  2. Cara Torrada e Meia de Leite,

    Muito obrigada! 🙂
    Sim, eu também acho que o livro em papel não deixará de existir. Poderá tornar-se mais caro, talvez, mas persistirá, com certeza.

    Like

  3. É delicioso o pormenor da folha do livro renascida da fita adesiva,com a data e o nome do bebé artista. Consegue-se escrever a vida num e-book? Por estas e por outras é que eu acho que o livro em papel nunca se extinguirá.
    Parabéns pelo seu trabalho “blogático”, não se limita a falar de livros mas do pulsar que os rodeia.

    Like

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s